Terça-feira, 20 de Junho de 2006

1º Questionário

Para estrear esta inovação contei com Bruna Relvas Moreira e a nossa Carolina Rodrigues também autora da peça “Ataque das Galinhas”.
 
Qual é a sensação de subir a um palco?
Bruna -É uma sensaçao muito boa, realmente. Sinto o meu futuro nas mãos, sinto que ali posso ser tudo o que quero…Mas, principalmente, sinto-me bem, sem nervosismos.
 
Carolina - Apesar de não ter muita experiência com o palco, já subi vezes suficientes para afirmar que é uma sensação inexplicável, dá sempre aquele friozinho na barriga e o nervoso miudinho (tirando o da estreia que foi um “mega nervoso”), sobe a adrenalina e estamos prontos para actuar.
 
O que sentes quando algo de errado acontece com os teus colegas actores da peça? Improvisas?!
Bruna - Tento ajudá-los discretamente, para que tudo pareça natural.
 
Carolina - Sim, o improviso já faz parte de uma peça teatral, por vezes da outra piada à peça tornando aquele momento um momento agradável. Não vejo isso como algo errado, pois é divertido quando algo não corre como o previsto, e não desconcentrando os actores é até bom.
 
Já alguma vez aconteceu isso? E o que fizeste?
 
Bruna - Já aconteceu eles terem-se enganado. Eles resolveram a questao, ninguem se apercebeu, e eu comecei a falar, visto que era eu a pessoa que seguiria a história, no guião.
 
Carolina - Não, nunca tive de improvisar.
 
Quando a peça termina o que é para ti o aplauso do público?
 
Bruna - O aplauso do público é um sentimento reconfortante, é por aí que temos a certeza que todo o esforço valeu a pena.
 
Carolina - É a recompensa pelo trabalho. É muito bom chegar ao final e ficar na expectativa de “será que gostaram ou não?” e logo em seguida ouvir os aplausos.
 
Se te pedissem para escrever uma peça de teatro que tema escolherias e para que faixa etária adequarias? E qual o género? (Comédia; drama…)
 
Bruna - Escolheria um tema que misturasse sentimentos muito opostos, decerto. Seria dificil, mas são das peças mais bonitas. Tanto daria para sorrir como para criar sentimentos mais abusadores dentro de cada um. (chorar, por exemplo.)
Em relaçao a idades, apostaria nos 15, 16 anos.
 
Carolina - O que eu mais gosto de escrever é comédia juvenil, pois é algo que estou habituada a lidar. Mas variar também é bom e por isso já tentei escrever drama também.
 
 Obrigada às duas! Afonsinetes.
sinto-me: 1 jornalista

publicado por Afonsinetes às 10:41
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De Tiago a 20 de Junho de 2006 às 11:19
Esse questionário parece ser interessante! Permite-me que te responda também a essas questões: 1ª - Subir a um palco, especialmente no momento antes de aparecer para uma assistência, é reconfortante. Isto porque nos bastidores (que no caso são bem apertadinhos), temos aquela sensação de não querer entrar, mas também, assim nunca mais nos libertamos desse nervoso que se apodera do corpo inteiro. 2ª - Bom, é já amanhã que vou estrear a última peça deste ano, e... bom, é um pouco diferente do habitual. Este teatro é essencialmente expressão dramática, onde cada um é ele/ela mesmo/a, mostrando o que sente pelo Teatro. Por isso, acho que todos têm bem presente aquilo que devem fazer. 3ª - Tal como na resposta anterior, não é necessário improvisar. Basta sentir. 4ª - É o valor que me dão, a mim, e ao Grupo. Afinal, só trabalhamos para eles, para lhes poder passar uma mensagem, ainda que codificada em linguagem teatral, que pode ser através do corpo, e a encenação a estrear amanhã utiliza voz e corpo, mas essencialmente o corpo. 5ª - Escrevi um drama, há relativamente pouco tempo. É sobre a problemática da adolescência, suicídio, enfim! Como já estava farto de escrever coisas p'ra rir, achei melhor mudar um pouco.


De Afonsinetes a 20 de Junho de 2006 às 11:35
Muito Obrigada Tiago! Inicialmente quando tive esta ideia do questionário que até é bastante simples foi a sonhar que mais tarde poderia ler as respostas de um profissional...mas nunca esperei que fosse o 1º comentário! Gostei muito e vou publicá-lo!!!!! Afonsinetes!


De silvia a 20 de Junho de 2006 às 15:26
ola!!!!
já me aconteceu eu estar frente uma multidao de pessoas e ter-me emganado, tive ke imventar uma cena esquesita, que por acaso soava mal mas acabou por sair bem !!!!


De My Diary Lurdes a 20 de Junho de 2006 às 18:17
Olá Amiga.
Como vai isso ?
Desculpa eu andar sumida ,mas ando um pouco ocupada. E por mais azar posso vir a ficar sem pc.
Pois se encontra com problemas de placa e mais coisas complicadas. Mas sempre que eu tiver 5 mim venho aqui. Eu não fechei meu blog antigo parei um tempo uso esse novo. Mas fui a ver ele esta aberto e eu remodelei um pouco é o que estou fazendo ainda. se poderes passa nos meus dois.
http://lurdesfreitas.blogs.sapo.pt
http://lurdesfreitas.zip.net
Beijocas da amiga Lurdes


De rosilene a 15 de Agosto de 2007 às 19:50
eu tenho que escrever uma peça de teatro na escola sobre o livro memorias de um soldado de milicias , mas eu nunca escrevi uma peça e preciso de ajuda de como eu posso escrever ela


De Sr. Dr. Ricky a 20 de Junho de 2006 às 22:01
Já agora, permite-me a ousadia de eu também responder a este questionário (aviso: algumas respostas podem estar parecidas com as do Tiago já que somos muito parecidos e fazemos parte do mesmo grupo de teatro): 1ª - essa é daquelas perguntas trapaçeiras já que há tanto para dizer e tão pouco que se pode exprimir em palavras...subir a um palco é um misto de angústia, alívio, alegria, felicidade, cumplicidade, satisfação e prazer...acima de tudo é sentimento, é sentir...porque o que fazemos é tudo sentido...por muito bem que soubermos os textos, decorados, não nos serve de nada se não os sentirmos no nosso corpo...se não transmitirmos verdade o público apercebe-se que é teatro...a única coisa que não podemos fazer no teatro é "teatro"...

2ª - No decorrer duma peça tens de ter uma visão periférica...uma sensibilidade de grupo que se põe em prática durante toda ela, com a qual corrigimos as posições no palco; se uma zona está deserta e outra muito cheia tentamos puxar alguém para a zona deserta; mas o que se pode fazer quando um colega nosso se equivoca é mesmo confiar nele já que somos um grupo e um grupo deve-se conhecer entre si: se eu sei que um colega actor está inseguro no seu texto se calhar ele vai ter na consciência que vai ter que dizer o que sente...sem se preocupar muito com o texto como todos nós fazemos: acima de tudo temos d sentir as palavras

3ª - Sim, aconteceu na peça passada onde numa actuação individual uma colega do grupo se enganou no texto mas ela apercebeu-se disso e moldou o texto à ocasião de forma a que o público não percebesse que tal tinha acontecido.

4ª - O aplauso do público é a recompensa que temos de todos os ensaios que foram pela noite a dentro; o aprovar de um público inteligente do que nós fizemos por nós mesmos; o bater mais doce de todos, a ovação de palmas que nos põe um sorriso na cara e nos faz pensar que todo o sofrimento e todo o suor e sangue e lágrimas valeram a pena: não pelo aplauso em si, não apenas pelo sucesso, mas acima de tudo pela nossa vontade de mostrar o que nós fizemos aos outros e esse desejo ser cumprido...isso é muito bom.

5ª - eu actualmente arrisco-me no campo da escrita mas ainda não arranho o campo dramático...dedico-me mais a histórias fantasíacas mas bem reais...histórias que são fruto da minha imaginação e produto do meu jeito com as palavras mas que se veêm constantemente no dia-a-dia...se um dia me arriscasse a escrever uma peça, acho que escreveria um romance utópico mas bastante real, que se vê por todos os lados, mas com uma reviravolta inteligente...uma peça que fizesse o público ficar agarrado às cadeiras e que no fim deixasse um leve sorriso na cara de todos...uma réstea de esperança na humanidade. Mas já escrevi bastantes momentos, ou sketches, cómicos para muitas ocasiões...não é um desafio muito grande para mim e por isso já parti para outros campos...mas estou sempre disposto a deixar uma gargalhada a quem conheço =)

Obrigado pelo teu interesse pelo teatro...precisamos de mais pessoas assim. bjinhos **


De Tiago a 20 de Junho de 2006 às 22:17
Bom, não se pode propriamente dizer que sou profissional de teatro, embora ambicione essa hipótese. A Escola Superior de Teatro e Cinema é o meu alvo principal, já que actualmente tenho relações com alunos de cinema dessa escola. Participei como actor no filme de alunos do 3º ano, e tive de ir muitas vezes à Amadora, onde se localiza a escola. Eles trabalham muito bem em equipa, o que é fundamental, tanto na 7ª arte como no Teatro. Ainda não tive oportunidade de ver as instalações do Departamento de Teatro, mas talvez possa ver, da próxima vez que lá for.
Relativamente às peças anteriores de comédia, bom... Não são grandes produções, mas foram criadas com dedicação com pessoas como um actor de 17 anos que ainda não é muito conhecido, mas já exerce a actividade a nível profissional (participou também como actor, mas secundário, no filme da ESTC, a meu convite) e ainda com outra pessoa ligada à música. Tem já uma banda e lançou um disco, faz um ano em Agosto. Também gosta de representar, e por isso, contei com ele para participar no filme.
O maior projecto de todos, pode-se dizer que foi um conjunto de sketches aproximados à comédia americana, do programa "Saturday Night Live", que no caso, foi um "Wednesday Night Live", no ano passado, na 4ª feira do exame de Matemática do 9º ano. A minha turma considerou que esse era o verdadeiro dia em que as coisas terminarião, e por isso, ficou numa 4ª. Gravámos todos os sons por nossa conta, andámos na minha casa e na do baterista, a escrever o argumento e a fazer mais sons, e foi muito divertido fazê-lo. Contudo, deixo-te um conselho: se sabes que a tua turma não dá valor ao teu trabalho só porque não és conhecida, mas até escreves uma peça de jeito, não a exibas em exclusivo para eles. O "Wednesday Night Live" foi de propósito para a minha turma, e poucos deram o devido valor. Se realmente tivessem gostado, vinham-nos dizer que, de facto, tinham gostado, não seria preciso andar aí a perguntar.

O discurso já vai longo, ainda me vou divertir um bocadinho, para depois descansar, que amanhã é um grande dia para o Grupo de Teatro Antígona!

'Jocas :)


De Ana S a 20 de Junho de 2006 às 23:11
A arte de representar é uma das mais belas do mundo. Quando era pequena queria ser atriz e até hoje ainda sinto essa vontade... Obrigada pela visita ao meu blog! Beijos


De rosilene a 15 de Agosto de 2007 às 20:06
eu nunca fiz ou vi teatro,mas quero aprender a montarum roteiro


Comentar post

.pesquisar

 

.Agosto 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.novas falas

. William Shakespeare

. Nomeação de 10 blogs

. Auto da barca do inferno ...

. História do Teatro

. AO CINEMA VAI AO TEATRO

. Shakespeare Simpson -Haml...

. Opiniões

. Consegues uma citação mel...

. Goor A crónica de Feaglar...

. A nossa Comunidade

.peças

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.links

.participar na cena

. participe nesta peça

SAPO Blogs

.subscrever feeds